27 de abril de 2015

3 Filmes indicados ao Oscar 2015


 Esse post está atrasado? Super! Mas mesmo assim eu resolvi indicar 3 filmes que foram indicados pro Oscar esse ano e que valem a pena serem vistos. Nem todos se tornaram preferidos ou dei 5 estrelas, mas cada um se destaca do seu jeito e todo cinéfilo deve assistir!


 Vamos começar falando do meu preferido. Pra vocês terem noção, eu curti tanto esse filme (o único que adicionei na lista de favoritos) que vi pela primeira vez e no dia seguinte assisti de novo. Primeiro que um dos meus atores e crush favoritos, que é o Benedict Cumberbatch, está atuando como o protagonista e como sempre se mostrando um ator muito bom (apesar de ter me lembrado bastante de sua atuação como Sherlock Holmes). Me emocionei horrores com a jornada de Alan e chorei igual uma criancinha no final. A única coisa que tenho pra reclamar é da Keira Knightley, mas isso é uma coisa totalmente pessoal, apesar de gostar muito de Pirates of the Caribbean (já vi mais de 7 vezes) eu não vou com a cara dessa moça.

 A história se passa durante a Segunda Guerra Mundial e o governo britânico monta uma equipe que tem por objetivo quebrar o Enigma, o famoso código que os alemães usam para enviar mensagens aos submarinos. Um de seus integrantes é Alan Turing (Benedict Cumberbatch), um matemático de 27 anos estritamente lógico e focado no trabalho, que tem problemas de relacionamento com praticamente todos à sua volta. Não demora muito para que Turing, apesar de sua intransigência, lidere a equipe. Seu grande projeto é construir uma máquina que permita analisar todas as possibilidades de codificação do Enigma em apenas 18 horas, de forma que os ingleses conheçam as ordens enviadas antes que elas sejam executadas. Entretanto, para que o projeto dê certo, Turing terá que aprender a trabalhar em equipe e tem Joan Clarke (Keira Knightley) sua grande incentivadora.


 Whiplash não se tornou um favorito, mas com toda certeza levou 5 estrelas e na minha opinião deveria ter ganhado o Oscar (não vi Birdman ainda :p). O que mais  te prende são as atuações impecáveis de Miles Teller e J.K. Simons, ambos conseguiram me impressionar ao representarem personagens com personalidades tão fortes. Dos da lista, este é o que fui com menos expectativa porque  não sabia absolutamente nada sobre a história e me surpreendi de uma maneira esplendida. Não tenho nem palavras pra descrever como me senti com a cena final, o filme inteiro é bom, mas assistam só para poderem desfrutar da magnificência daquela cena.

 O solitário Andrew (Miles Teller) é um jovem baterista que sonha em ser o melhor de sua geração e marcar seu nome na música americana como fez Buddy Rich, seu maior ídolo na bateria. Após chamar a atenção do reverenciado e impiedoso mestre do jazz Terence Fletcher (JK Simmons), Andrew entra para a orquestra principal do conservatório de Shaffer, a melhor escola de música dos Estados Unidos. Entretanto, a convivência com o abusivo maestro fará Andrew transformar seu sonho em obsessão, fazendo de tudo para chegar a um novo nível como músico, mesmo que isso coloque em risco seus relacionamentos com sua namorada e sua saúde física e mental.


 Acho que o mérito desse filme está na produção e fotografia. É divertido e com uma trilha sonora maravilhosa, mas não chegou a ser 5 estrelas (pra mim foi 4). É aquele tipo de filme que você vê e quer ver de novo de tão bonito que é!

 No período entre as duas guerras mundiais, o famoso gerente de um hotel europeu conhece um jovem empregado e os dois tornam-se melhores amigos. Entre as aventuras vividas pelos dois, constam o roubo de um famoso quadro do Renascimento, a batalha pela grande fortuna de uma família e as transformações históricas durante a primeira metade do século XX.